sexta-feira, 1 de junho de 2007

Sobre as perdas

Não sei se a compreensão das perdas no mundo ocidental é a mesma do mundo oriental.
Acredito que há diferentes modos de se lidar com as adversidades da vida, e é justamente por causa delas que aprendemos a observar e nos relacioanr com as coisas que dizem respeito à nossa vida, direta e indiretamente. Elas, as perdas - as adversidades - é que nos ensinam a crescer.

Também não acredito que a palavra adolescência, que é o período em que nossas formas se transformam para além do tamanho, se alteram em volumes... é um período que dói, crescer dói... e as grandes mudanças nos ensinam que a dor e a perda fazem parte deste crescimento contínuo que é nossa vida.

Tive "grandes" perdas ao longo da minha vida. Se por um lado me endureceram, por outro vêm me ensinando a desenvolver minha ternura: "endurecer, pero sin perder la ternura!"

Mais do que nunca me sinto forte e suave, cada vez mais ambas as coisas, por mais contraditório que possa parecer! E vivamos a vida intensamente...