quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Estudo e mapeamento de SJDR realizado pelos projetos de pesquisa e extensao Sistema de Equipamentos Coletivos e Espaços Publicos na UFSJ.

Equipamentos  Coletivos  Educacionais  e  Espaços  Públicos     
Estudo  do  território,  dos  espaços  educativos  e  do  processo  de  implantação  da  Educação  em  
tempo  integral  no  Município  de  São  João  del-­‐Rei/MG  

Alice  Aldina  S.  Dias   José  Mário  Dominello   Adriana  Gomes  do  Nascimento   Universidade  Federal  de  São  João  del-­‐Rei   FNDE  ␣  Fundo  Nacional  de  Desenvolvimento  da  Educação     

RELATO  DE  EXPERIÊNCIA  
 Educação   Integral  na  Região  das  Vertentes  /São  João  del-­‐Rei coordenado  pelo  prof.   Levindo  Diniz  Carvalho ,  PME  no  seu  processo  de  implantação  na  cidade  de  São  João  del-­‐Rei.  

Os  espaços  coletivos  educativos  são  referências  para  a  compreensão  da   cidade  e  da  formação  de  núcleos  urbanos  onde  se  concentram  as  atividades   fundamentais,  que  interessam  a  um  grande  número  de  pessoas  ou  das  quais  a   maioria  necessita.  Esses  núcleos  foram  denominados  por  Manuel  Castells  como   centros  urbanos.  Nestes  são  implantados  comércio,  serviços,  equipamentos   urbanos,  gestão  administrativa,  financeira  e  política,  e  não  coincidem   necessariamente  com  uma  centralidade  geográfica.  O  surgimento  de  centros   urbanos  permite  a  coordenação  das  atividades,  a  identificação  e  a  criação  das   condições  necessárias  à  comunicação  entre  os  usuários.  A  escola,  enquanto   equipamento  coletivo  de  disseminação  de  conhecimento  e  valores,  é  um   importante  elemento  gerador  de  centralidades  de  caráter  simbólico,  ou  seja,   ligados  à  formação  e  organização  da  cidade.    
Podemos  perceber  em  São  João  del-­‐Rei  uma  concentração  de  equipamentos   educativos  nas  três  principais  centralidades  da  cidade:  Centro,  Fábricas  e   Matozinhos.    (Mapa  1)  A  primeira  compõe  o  núcleo  principal  da  cidade;  a   segunda  simboliza  o  período  de  desenvolvimento  econômico  da  comarca  com  a   instalação  na  região  das  fábricas  de  tecido  e  da  estrada  de  ferro  no  final  do  século   XIX;  e,  a  terceira,  apesar  de  retomar  o  processo  de  formação  da  cidade,  emergiu   como  um  dos  centros  de  maior  relevância  para  o  município  com  o  loteamento   das  chácaras  fundadas  pelos  paulistas.    Ao  mesmo  tempo,  temos  uma  ausência   de  escolas  nas  demais  áreas.  (Mapa  2)  Destacamos  as  áreas  da  cidade  que   atualmente  passam  por  um  processo  de  expansão,  com  a  formação  de  novos   loteamentos  e  consequente  fluxo  migratório,  sem  o  planejamento  e  criação  de   uma  estrutura  educacional  adequada.  
Mapa  1.  Áreas  com  concentração  de  escolas.  
Mapa  3.  Área  rural  e  núcleo  urbano  do  município.  
Neste  sentido  também  podemos  refletir  sobre  a  relação  entre  o  espaço   urbano  e  o  rural.  (Mapa  3)  O  mesmo  processo  acontece  no  meio  rural,  áreas  com   concentração  de  equipamentos  coletivos  educativos    e  áreas  com  carência   desses.  No  entanto,  outros  dois  critérios  devem  ser  considerados:  a  maior   distância  entre  as  moradias  e  os  centros  urbanos  e  o  difícil  acesso  aos  locais  e   serviços.  Quanto  maior  a  distância  da  moradia  (fazenda,  sítio)  até  a  escola,  maior   será  a  dificuldade  para  acessá­‐la,  maior  será  o  tempo  gasto  no  percurso  e  maior   será  o  desgaste  sofrido  pelo  aluno.  A  maioria  dos  povoados  não  possui  transporte   adequado  e  em  alguns  casos  isto  impede  a  implantação  do  sistema  de  tempo   integral  na  escola.  A  falta  de  infraestrutura  adequada  e  sistema  de  transporte  que   garanta  o  acesso  dos  alunos  aos  equipamentos  educativos  gera  isolamento  e   déficit  educacional.    

CONCLUSÃO  
A  produção  da  cartografia  de  apoio  -  mapas  temáticos,  mapas  de   caracterização  e  distribuição  da  população  e  seus  movimentos,  mapas  de   infraestrutura  urbana  e  mapas  de  atividades  econômicas  predominantes  - pode   colaborar  com  uma  leitura  da  cidade  mais  coletiva,  complexa,  intersetorial  e  que   relacione  os  aspectos  da  cidade  na  tentativa  de  compreender  a  rede  que  a   envolve,  caminhando  para  além  de  uma  visão  fragmentada  da  sociedade.  O   cruzamento  de  outras  informações  com  esses  mapas  também  podem  contribuir   para  uma  melhor  compreensão  da  cidade.    
Ao  lançarmos  o  olhar  sobre  a  cartografia,  obtemos,  por  meio  de  uma  análise   de  forma-­‐conteúdo,  o  modo  como  os  equipamentos  educacionais  de  ensino   básico  se  situam  espacialmente  perante  outros  equipamentos  coletivos   educativos  ou  em  relação  a  áreas  com  potencial  de  uso  para  o  processo   educacional,  apresentando  certa  desigualdade  entre  centros  e  periferias,  e  entre   campo  e  cidade.  Essas  análises  servem  não  apenas  à  pesquisa,  mas  também,  com   seu  caráter  de  extensão,  ao  planejamento  e  gestão  urbanas,  dando  a   possibilidade  de  um  olhar  especializado  à  administração  pública  e  assim   instrumentos  para  um  processo  decisório  consciente,  equilibrado  e  coerente  com   a  realidade  do  município.  E  por  fim,  para  tanto  é  necessário  o  debate  sustentado   pela  troca  de  informações.  

REFERÊNCIAS  BIBLIOGRÁFICAS  
CASTELLS,  M.  A  Questão  Urbana.  RJ:  Paz  e  Terra,  2009.    
MARTINELLI,  Marcelo.  Mapas  da  geografia  e  cartografia  temática.  5.ed.  São  Paulo:   Contexto,  2009.    
NAME,  Leo  &  LONTRA  NACIF,  Cristina.  Notas  sobre  mapas,  mapeamentos  e  o   planejamento  urbano  participativo  no  Brasil  na  perspectiva  de  uma  cartografia   crítica.  Biblio  3W.  Revista  Bibliográfica  de  Geografía  y  Ciencias  Sociales.  [En  línea].   Barcelona:  Universidad  de  Barcelona,  25  de  marzo  de  2013,  Vol.  XVIII,  no.  1018.   .    
 

Mapa  2.  Áreas  com  carência  de  escolas. 

I Encontro de Desenvolvimento Sustentável Urbano e Rural _ EMIDESUR




A produção familiar no Brasil não passa apenas por um processo de diferenciação social crescente originando formatos diversos no que se refere à organização produtiva, mas com a emergência da questão ambiental, desenvolve diferentes estratégias de reconstrução de relações com a natureza e com a sociedade tendo como primícias o desenvolvimento em moldes sustentáveis. Nesse sentido os objetivos e metas do I EMIDESUR - I Encontro Mineiro de Desenvolvimento Sustentável Urbano e Rural que apresenta como tema a “Produção Familiar e Agroecologia” são: 
1)- Reunir profissionais de renomadas instituições de ensino, pesquisa e extensão, autoridades governamentais, representantes do setor privado e de organizações sociais com a finalidade de discutir temas relevantes concernentes ao desenvolvimento sustentável dos meios urbano e rural. 
2)- Promover uma nova forma de economia local incentivando a economia solidária; 
3)- A partir de um entendimento da luta pela terra, relacionar questões e ações da agricultura urbana e da educação no campo;
4)- Incentivar a adoção de práticas que promovam a sustentabilidade rural e urbana, através da conservação do solo, da água, amparado na viabilidade econômica/social e na segurança alimentar; 5)- Analisar e observar relações urbano-rurais face diferentes possibilidades de infraestruturas, de mobilidade, produtivas, regionais e territoriais;
6)- Difundir conhecimentos e tecnologias relativas à sustentabilidade dos meios de produção; 
7)- Discutir metodologias de ação no sentido de conscientizar as populações sobre o consumo sustentável, seus direitos e deveres enquanto cidadãos quanto à necessidade de contribuir para redução dos efeitos deletérios da crise ambiental, mudança de postura e comportamento. 

Os objetivos específicos do I EMIDESUR são: Promover o diálogo científico em consonância com o social/popular sobre a sustentabilidade no meio rural e urbano, abordando temas amplos relacionados às práticas produtivas com base agroecológica.  Em longo prazo, pretende-se enfatizar a ciência inovadora, tecnológica e social; a eficiência, racionalidade, difusão de metodologias e melhores práticas sobre gestão de inovação.

Este evento é uma parceria interdisciplinar do Departamento de Zootecnia e do Curso de Arquitetura e Urbanismo de UFSJ e a Prefeitura Municipal de SJDR. Conta com o apoio de diversos projetos de Pesquisa e Extensão, além de outras entidades e setores publicos.